Esse campo obrigatório não poderia ficar em branco.

domingo, 3 de outubro de 2010

Droga predileta.


Comprei um frasco. Um frasco que continha uma substância líquida. Uma substância líquida denominada ''Amor''. Bebi, bebi, bebi, por um longo tempo, diariamente, três vezes ao dia. Não me cansava de beber aquela substância maravilhosa, que me dava a sensação de alegria, delírio, o mundo parecia ser mais colorido, o gelo não era tão frio e o calor não era tão quente. Era a melhor de todas as drogas. Porém, essa tal substância veio sem bula, sem rótulo, sendo assim, eu não fui avisada dos efeitos colaterais. Frio, calafrios, desisteresse, descrença, sensação de anestesia, silêncio, indiferença, arrogância, depressão profunda, entre outros. Quem me dera ter lido a bula dessa droga impiedosa! Mas ninguém me avisou que era assim, como poderia eu, que sempre achei que tudo relacionado a esse tal de amor fosse perfeito, saber que haveria tantos efeitos colaterais? Mas agora ja é tarde, sofro quieta. Quem sabe qualquer dia por aí eu encontre uma droga mais forte que essa ou talvez um antídoto para a mesma.   gi.

11 comentários:

  1. Realmente, o amor é uma droga. Mas paa cada pessoa tem um efeito diferente. Pra algumas faz mal, pra outras faz bem e depois mal, e pra outras faz um bem enorme.
    Só precisamos saber por quem deveremos tomar essa droga. Pois ela é viciante e estimulante.

    Gostei bastante de seu texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É... acho que ele não vem mesmo com uma bula e quando vem, não lemos ou não damos a minima.
    Interessante o texto, gooostei mto *-*

    ResponderExcluir
  3. Nossa, muito bom! E o que é interessante é que embora o remédio seja o mesmo para todos, a bula não é! cada pessoa sofre de um efeito colateral! Uns mais, outros menos e sempre de um jeito novo! será qual o antídoto, e se existe, será que alguém viria a tomar? Beijoss

    ResponderExcluir
  4. a bula é construída de gole em gole....

    ResponderExcluir
  5. A bula muda de acordo com sua adaptação ao "amor"

    ResponderExcluir
  6. Ah, drogas... Costumo dizer que o amor é uma droga... Inebriante, vicia.
    Tem um selo para você no meu blog, beijos! :)

    ResponderExcluir
  7. Realmente e infelizmente é o que acontece. Nada é perfeito, fazer oque! Obrigada aos que gostaram, fico feliz!

    ResponderExcluir
  8. WOW é realmente perfeito esse texto. Você tbm escreve MUIIIITO bem. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Adorei teus textos Gi. Tem tua alma aqui! Existe um provérbio popular que diz "que remédio amargo é que cura!". Com o amor é assim: dói, embriaga, alivia, confunde e gera dependência psíquica e física...
    Te adoro! Beijo

    ResponderExcluir
  10. Que bom que você gostou, Tio Júlio! É verdade, dói, mas em consequência disso, faz-nos aprender a saber tomar a dosagem certa dessa droga... Também te adoro! Beijos

    ResponderExcluir
  11. Meu, fantástico, mais do que ótimo ;D

    ResponderExcluir